De Bolsos, Gavetas e Caixões

De Bolsos, Gavetas e Caixões. Camus. Coronavírus

Autor: Dr. José Flávio Vieira

“Sabemos hoje que não há ilhas, e que são vãs as fronteiras. Sabemos que, num mundo em constante aceleração, quando o Atlântico se atravessa em menos de um dia ou Moscou contacta com Washington em poucas horas, estamos obrigados à solidariedade ou à cumplicidade, segundo os casos. Hoje, a tragédia é coletiva. Sabemos pois todos, sem sombra de dúvida, que a nova ordem que buscamos não pode ser somente nacional, ou sequer continental, e muito menos ocidental ou oriental. Ela só pode ser universal.

Camus

camus

As palavras acima são de Albert Camus que faleceu tão precocemente em 1960. O escritor francês, um Nobel de Literatura (1957) , escreveu um livro fabuloso que volta a se tornar atual nos dias de hoje: A Peste. No romance narra a saga de uma pequena cidade atingida por uma peste bubônica e o pandemônio que se instalou entre os seus  habitantes. Visionariamente,  a vila chama-se Oran, tão próxima daquela outra chinesa que disseminou uma das maiores pandemias dos últimos séculos, a chinesa Wuhan. Instalada a epidemia, como sempre, o pânico torna-se senhor da situação e é incrível perceber como se repetem os comportamentos , num salve-se-quem-puder incrível, não tão diferente do que aconteceu com a Peste Negra na Idade Média ou com nossas epidemias caririenses de Cólera e Varíola na segunda metade do Século XIX. Com mortalidade e sofrimento inimagináveis  em países ricos como China, Itália, Alemanha, Espanha, a calamidade , de repente, vem bater no nosso portão. O COVID-19 já espreita suas vítimas com o ar soberbo de um carcará que , do alto da timbaúba , observa os pintinhos brincando no terreiro. E o país pára aterrorizado. Escolas fecham, cinemas, lojas e teatros cerram as portas, países lacram as fronteiras, pessoas se isolam, num pavor só comparável ao de cem anos atrás quando chegou a Gripe Espanhola. Só o comandante máximo da nação, na contramão do mundo inteiro, faz chacota e diz ser tudo histeria e invenção da mídia e do comunismo para amedrontar o povo.

Há razões mais que suficientes para preocupação. Primeiro, basta olhar ao redor e ver a carnificina que se abate sobre outras nações muito mais organizadas e ricas que a nossa. Alguns dirão que Deus é brasileiro, mas há informações de até ele anda usando máscara e álcool gel. Claro que não vivemos mais em tempos de Peste Negra, combatendo um inimigo totalmente desconhecido  e tido como um castigo divino aos despautérios da humanidade. Devemos à Ciência (tão perseguida e maltratada pelos atuais governantes e seus terraplanistas) a possibilidade única de sobreviver a esta ameaça com menos sofrimento e menos baixas. Sabemos que pela grande possibilidade de contágio, a melhor conduta sanitária para minimizar a velocidade da epidemia é o isolamento e a quarentena. E , junto, os cuidados higiênicos fundamentais de lavar as mãos, usar lenços, limpar superfícies , evitar aglomerações. Aí batemos de cara  nos graves problemas de infraestrutura do Brasil e da nossa recente visão neoliberal onde a desigualdade é tida como uma coisa normal, até necessária e justa  e o apoio às classes miseráveis e desfavorecidas tido como coisa de esquerdopatas.

Orienta-se a lavagem das mãos  com frequência. Sempre é bom lembrar que dois em cada dez brasileiros não tem acesso à água potável. Além do mais , mais de 101 mil pessoas vivem na rua no Brasil, ou seja não têm água à disposição para o consumo e nem têm como se isolar em suas casas,  já que moram debaixo de marquises e viadutos.  Em 2017,  tínhamos um déficit habitacional ( crescente nos últimos anos) de quase 8 milhões de residências. Pensem , por outro lado, na possibilidade de ficar em casa, isolado, por longo período os quase doze milhões de desempregados, na sua maioria sobrevivendo de bicos e virações. Recorde-se ainda que, mesmo nos empregados,  40% estão na informalidade a informalidade , hoje atinge quase 35 milhões de pessoas. Estas pessoas não tem qualquer segurança trabalhista. Como sustentarão as famílias esses pomposamente apelidados de novos empreendedores ? Mesmo os que estavam trabalhando, em 2018,  tinham uma renda mínima vergonhosa: 60% ganhavam menos de um salário mínimo.  O necessário fechamento das escolas traz ainda um problema adicional. Com quem os pais que irão para o trabalho deixarão seus filhos ? Se deixam aos cuidados dos avós podem aumentar o risco de contaminação do segmento mais frágil nessa epidemia: o da terceira idade. Importante frisar que muitos e muitos estudantes necessitam da merenda escolar para sobrevivência e segurança alimentar.  No Brasil existem em torno de 12 milhões de crianças de 0 a 3 anos, mas apenas  3 milhões de vagas disponíveis em creches.

Em relação à nossa estrutura de saúde, a coisa não é menos preocupante. Só no orçamento  deste ano o SUS perdeu mais de R$ 5 bilhões. A OMS preconiza um número mínimo de 2,5 a 3 leitos de UTI para cada 10.000 habitantes. A UTI é importantíssima numa epidemia como a do Corona.  A oferta de leitos aqui tem diminuído nos últimos tempos. Temos hoje o percentual de 2,1 leitos, mas , na rede pública, apenas 1 leito para cada 10.000 brasileiros. As regiões mais deficitárias são as mais pobres: O Nordeste, o Norte e o Centro-Oeste. Para agravar mais a situação,  apenas 10% dos  municípios brasileiros têm leitos de UTI públicos ou privados.

Por outro lado, se as determinações da Organização não tocam sequer o presidente da republiqueta do Brasil e o diretor da ANVISA, como esperar que cheguem aos quase 12 milhões de brasileiros a quem foi negado pelo estado, reiteradamente, o direito sagrado da alfabetização e aos outros 38 milhões analfabetos funcionais?

Nos dias de hoje parece uma heresia falar em desigualdade social. Para o status quo quem não consegue um emprego ou um bom salário é por mera falta de mérito. Em 2018, a Desigualdade Social no Brasil bateu novo recorde: 1% da população mais rica tinha rendimento médio mensal de R$ 28.000,00 , enquanto 50% da nossa população ganhava a média de R$ 820,00 ( valor abaixo do salário mínimo da época). Em 2012,  5% da população brasileira vivia com apenas R$ 56,00 mensais e os 30% mais pobres ( 64 milhões de pessoas) com apenas R$ 269,00. Em 2018,  essa calamidade piorou ainda mais.

Tenho a certeza de que venceremos o inimigo, mas tenho também  a clareza de que as baixas seriam menores e os feridos em menor quantidade se nossos pelotões tivessem armas modernas  nas mãos de todos os soldados. Triste constatar que uns portarão metralhadoras e outros terão apenas  baladeiras e bodoques à disposição.

Talvez isso pouco interesse à Casa Grande, mas é sempre bom lembrar que todos esses fatores estão intimamente ligados à progressão das epidemias. Nem todos residimos na avenida paulista, como imaginam alguns políticos sulistas. Temos realidades que vão da Holanda à África Subsaariana. Nós podemos até pensar que só os miseráveis morrem. Mas as epidemias são sempre muito socialistas: dizimam, sim, em maior proporção,  a pobreza, até porque ela é imensamente mais numerosa, mas ninguém pode se sentir a salvo e imune às suas garras. Na epidemia de Gripe Espanhola, no início do Século XX , pereceu Rodrigues Alves, nosso presidente à época.  O Corona sabe, perfeitamente, que caixão continua não tendo gaveta e mortalha permanece sem bolsos adicionais. 

Crato, 17/03/20

Sobre o Autor: Dr. José Flávio Vieira, residente no município do Crato-CE, é Conselheiro do Jornal do Médico®, médico e escritor nas horas vagas, dramaturgo bisssexto, sendo autor de: “A Terrível Peleja de Zé de Matos com o Bicho Babau nas Ruas do Crato”, “Matozinho vai à Guerra”e “Dormindo à Borda do Abismo, A saga da Medicina Caririense nos Oitocentos”.


Assine a NewsLetter do Jornal do Médico® e receba esse e outros conteúdos relevantes no seu E-mail: http://bit.ly/32Rsq5b

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


WhatsApp chat
Send this to a friend